29 setembro 2006

ELEIÇÕES 2006.


Ta bom...
Sei que a situação é ruim...somos a merda do vaso sanitário...e quem nos faz é um xibiu horrendo, cabeludo e enorme...pior ainda, né!? Se nós não temos força de, pelo menos bater na água e molhar aquela bunda que nos assiste implacável e sorridente, que tenhamos força de feder...feder tanto que todos os que estiverem à nossa volta se toquem e comecem a reclamar, e obriguem aquele xibiu a parar de fazer mais merda (...e pensar que antes de virarmos isso até que fomos substância nutriente e saborosa).
Reação rápida, a descarga vem aí.

Rockão pra chacoalhar o cérebro e ver se pega no tranco.

28 setembro 2006

EU SOU.

Eu sou uma força tão poderosa que você, em sua insignificância, nem pode calcular. Trabalho ininterruptamente, por todas as horas de meus dias e minhas noites, dentro de minha dimensão, pra que você, simplesmente, sem nenhuma interferência direta de minha parte, possa entender que é muito importante pra mim.
Sou movido, como força motriz que sou, pela sua compreensão e pelo seu reconhecimento. Uma pequena parte de você e uma das primeiras coisas que lhe dei, a palavra, pode abastecer minhas ‘turbinas’ por milhares de séculos de sua dimensão. Eu sou seu dono e protetor.

E eu não sou de pedir muito em troca, sabe? Só algumas dessas palavras.

Pra isso, basta você me olhar diretamente nos olhos e dizer que você me ama, não só quando você estiver aflito, mas, principalmente, quando estiver alegre, porque, neste caso o combustível tem maior potência e até, acredite, me faz sorrir.

Olhe-me diretamente nos olhos e diga, com bastante vontade, que só eu, com o poder que sua limitação humana jamais poderá atingir, tenho a solução de seus maiores, mais terríveis e dolorosos problemas.

Basta que você, antes de me olhar nos olhos e me elogiar, porque eu mereço mesmo, e me dirigir qualquer palavra, saia de dentro de si, olhe para o mundo em que vive e agradeça pela luta ininterrupta na manutenção trabalhosa do maravilhoso Lar que habitas.

Basta que pare de reclamar sobre aquilo que determinei e conclui, na minha irrevogável e definitiva Lei, no que é decisivo para a sua evolução ao alto.

Ah sim! Você quer saber como eu sou e como me olhar nos olhos, me idolatrar e me dirigir a palavra? É fácil!
Use o espelho.

Você verá a minha imagem e semelhança. Basta apenas deixar aflorar de dentro dela o meu amor incondicional e o meu poder.

Quando digo que você é insignificante, não se ofenda não! É apenas para lembrar que, para contrabalançar tanto poder acumulado, o orgulho, a vaidade, a desumanidade, o racismo, a discriminação ainda fazem parte daquilo que criamos e que é importante que existam, para que você cresça e deixe de sê-lo.

Quando me olhar direta e profundamente nos olhos, não deixe de falar em alto e bom som que eu tudo posso naquele que me fortalece.

24 setembro 2006

Strange days indeed (né?)



Image Hosted by ImageShack.us

"Eu tenho um sonho..."

”Uma mulher branca, de aproximadamente 50 anos, chegou ao seu lugar na classe econômica e viu que estava ao lado de um passageiro negro.

Visivelmente perturbada, chamou a aeromoça.

- Qual o problema, senhora? pergunta a aeromoça.

- Não está vendo? - respondeu a senhora - vocês me colocaram ao lado de um negro. Não posso ficar aquí, você precisa me dar outra cadeira.

- Por favor, acalme-se - disse a aeromoça - infelizmente, todos os lugares estão ocupados, porém, vou ver se ainda temos algum disponível.

A aeromoça se afasta e volta alguns minutos depois.

- Senhora, como eu disse, não há nenhum outro lugar livre na classe econômica. Falei com o comandante e ele confirmou que não temos.Temos apenas um lugar na primeira classe.

E antes que a mulher fizesse algum comentário, a comissária continua:

-Veja, é incomum que a nossa companhia permita que um passageiro da classe econômica se assente na primeira classe, porém, tendo em vista as circunstâncias, o comandante pensa que seria escandaloso obrigar um passageiro a viajar ao lado de pessoa tão desagradável.

E, dirigindo-se ao senhor negro, prosseguiu:

Portanto, senhor, caso queira, por favor, pegue a sua bagagem de mão, pois reservamos para o senhor um lugar na primeira classe...”

(Todos os passageiros próximos, que, estupefatos, assistiam à cena, começaram a aplaudir, alguns de pé).