20 abril 2006

From me to you.

"Eu só bebo em algumas poucas circunstâncias:-
quando estou feliz;-
quando estou triste;-
quando estou sozinho;-
quando estou acompanhado;-
quando estou sem fome;-
quando estou com fome;

Fora isso, nem toco na bebida.
A não ser que esteja com sede".

ELE TIRAVA DE LETRA.

(28/04/2006)



“São quase sete milhões de adeptos de uma Doutrina que vê a morte como transição para uma nova vida. Muitas vidas...”

Essa foi a apresentação do jornalista Ronaldo Rosas, referindo-se ao Espiritismo, na abertura do programa “Nosso Tempo – As muitas Vidas de Chico Xavier” transmitido pela Rede Manchete de Televisão (Rua do Russel, 804 – Gloria – 22210 Rio de Janeiro, RJ).

O programa durou uma hora e no inicio fez uma síntese da historia do Espiritismo. Apresentou entrevistas de atores da peça teatral “Alem da Vida”, em cartaz há 10 anos, na peça “Laços Eternos”, em cartaz no Teatro Ruth Escobar, e trechos de antigas entrevistas de Francisco Candido Xavier sobre os mais palpitantes assuntos.
“Chico Xavier não é somente um bom brasileiro. Ele é um Espírito Iluminado. É um homem que joga luzes no momento em que nós estamos em duvida sobre o caminho a seguir. Um homem que nos dá inspiração para prosseguirmos na luta”. São palavras do Presidente Fernando Collor de Mello antecedendo a entrevista de Francisco Cândido Xavier, que, mesmo muito fraco, falou sobre diversos e importantes assuntos.

Eis o que disse Francisco Cândido Xavier:

“Governar, ao meu ver, é quase um martírio mental. A criatura perde o tempo. O tempo passa a pertencer ao povo que ele dirige.”

“Chega de desconsideração com os dignos, chega do esquecimento daqueles que trabalham ou que estão trabalhando por uma Terra melhor.”

“O empresário brasileiro é um homem bom. Eu também fui operário de fabrica. Trabalhei numa maquina chamada abridor, que recebia algodão em rama e depois dividia entre os filatórios. Eu trabalhava num dos filatórios e era muito feliz.”

“Quando a gente escuta um grito de guerra soando em qualquer parte do mundo, seja no Iraque, na Cochichina, na Rússia, na Inglaterra, na França... nós sentimos muita dor. Porque nos dói pensar no sofrimento das mães que criaram seus filhos até a maioridade, às vezes com imensos sacrifícios, se verem privadas dessa mocidade, que veio para iluminar o mundo e criar novos caminhos para nós.”

“Isso tudo no Brasil que a gente lê, impressiona. Porque nós não vemos ainda providencias e recursos capazes de se encontrarem para trazer ao nosso povo esses benefícios que penso que são justos, que não são produtos de greve.”

“Eu creio que se nós, como povo, fôssemos educados para a tolerância recíproca, para o respeito à autoridade, para o trabalho persistente, sem conflitos entre empresários e trabalhadores; se todos nos uníssemos para compreender a necessidade desses valores espirituais na vida de cada um ou de cada grupo social, nós teríamos realmente um país extremamente venturoso.”

“O homem brasileiro em si é pacífico, é ponderado, trabalhador, inteligente. E nós poderíamos produzir grandes valores semelhantes aos chamados países do primeiro mundo.”