08 agosto 2006

PAPO SÉRIO (É raro, mas ás vezes eu até consigo).


Com a proximidade das eleições gerais, tenho observado, em minhas visitas, a manifestação de muitos contra a reeleição de Lula(aquele). Problema que é, obviamente, de cada um, se isto não implicasse no status quo de cerca de 165 milhões de pessoas, e se somente para a presidência da República houvesse pleito. Esquecem-se dos cargos minoritários, quando teremos que, mais uma vez escolher se esse ou aquele é o melhor representante de nossa região, estado ou município. Afinal, os mais politizados sabem que é no Congresso Nacional que se decide (ou não) os destinos do país.

Bom, vejo pessoas referindo-se á Lula(aquele) como o cabeça de todos os escândalos que pipocam pelaí. Concordo, até, que pegou muito mal o fato dele ter negado qualquer conhecimento sobre o valerioduto, mas, politicamente falando, não podemos julgá-lo apenas por isso! Quem já percorreu o sertão nordestino sabe que muita coisa, que ele denuncia desde 1989 e prometeu corrigir, foi feita, independente se o dinheiro que o governo central enviou chegou, no todo ou em parte, ao destino, já que, até no seio de ótimas famílias, filhos bem educados pelos zelosos e amorosos pais ingressam no vício e no crime, não é? (Entenderam a metáfora? )

A história nos conta que Jânio Quadros, eleito com a maior votação até então, imbuído de plenos poderes, com um cérebro carregado de experiência política e uma cultura invejável, 6 (seis) meses após eleito caiu fora alegando que “forças ocultas” o obrigaram a tomar aquela atitude. Pergunto: alguém aí que está tendo a paciência de ler tudo isso acredita que possa haver “forças ocultas” que possam controlar de alguma forma um líder com a aprovação da maioria popular? Tenho certeza absoluta que você vai responder: - É claro que tem! To errado? Pois bem. Se estou, paro pra explicar: banqueiros, industriais, fazendeiros, ‘coronéis’ da política, mídia tendenciosa, etc.

Orgulhoso, sou eleitor de Lula(aquele) desde 1990. Imagem à minha semelhança. Cabeça tronco e membros. Sempre fui barbudo e cabeludo, desde baixa no exercito até os meus 35 anos, quando resolvi pela poda completa. Cabelos crespos, era a fachada de “tchê”, pensava como “tchê” e só não agia como “tchê” porque sempre fui pacifista, apesar de ter, naquela época, todos os motivos que a situação política no meu amado Brasil me proporcionavam, seja pra chutar o saco de um milico qualquer, seja pra por bombas em qualquer órgão público. E olha que motivos e incentivos não me faltaram.

Quando estive em Brasília, antes daquela eleição presidencial, após quase vinte anos de ‘engole sapo’, em que eu iria votar pela primeira vez prum presidente, percorri não só a Esplanada como quase todas as cidades satélites. Freqüentei desde o restaurante do Palácio do Itamarati (acreditem, já ranguei lá) até os botecos mais ‘mosca frita’ das satélites ou da famosíssima (naquele tempo, agora não sei) W3.
Sempre quis saber a opinião de todos com quem conversava, sobre os dois candidatos mais destacados, e ouvi opiniões diversas, mas as que mais ouvi foram: Lula(aquele) era um arruaceiro e analfabeto. Collor(ái) era um burguesinho metido e viciado, que, quando mais jovem, vivia fazendo arruaças por Brasília, quando seu pai era senador. Brigas homéricas, quebrando bares e boates, acompanhado de amigos iguais, sempre protegido pelo cargo do papai, ferrando os desafetos que eram até acusados de subversivos.
Com essa última sendo a mais ouvida, decidi meu voto. Preferiria um “arruaceiro analfabeto”, sincero, de boa cabeça e bem intencionado (ele sempre transmitiu isso, convenhamos) a um lobo em pele de cordeiro. Inda mais com o aval indispensável de Abraham Lincoln, autodidata e tremendo homem. Por quê não tentar? Foda-se que ele não falava inglês, francês, norueguês e nem o português direito, afinal, quantos falam?

Quase venceu, não fosse aquele jogo indecente armado dias antes. Daria certo? Quem sabe!

Mais convicto estava ainda em 1994. Decidido já há 4 anos. O insosso FHC ficou lá por oito longos anos. Não fedeu nem cheirou.
E depois...foi o que se viu. 54 milhões de esperança e oração.
Lembro que em 1990 muitas amigas diziam que iriam votar no Collor(ái) ‘porque ele era lindo’, como se beleza pudesse resolver nossos problemas. Hoje não temos nenhum padrão de beleza nos candidatos, se tivéssemos provavelmente venceria já que algumas cabecinhas continuam as mesmas.

Mas o que mais me doeu, em minhas visitas, o que ofendeu (não a mim, mas a 54 milhões de pessoas) foi um comentário num post do meu mais novo (e inteligente) amigo
JUNIOR, em que uma garota se referiu aos eleitores de Lula(aquele) como “Corja”. Jamais tentei fazer a cabeça de alguém, em 1990, contando o que eu ouvira em Brasília, acreditem. Afinal o ‘cara’ podia fazer um tremendo governo e onde eu enfiaria minha tromba? E as coisas praticamente se confirmaram, no curto decorrer daquele fatídico mandato.

E eu, agora, ao lado de 54 milhões de pessoas cheias de esperança e oração, pensando apenas no bem estar de minha adorada nação (Sem demagogia. De verdade mesmo) faço parte de uma “Corja”.

Votei em Lula(aquele) e vou votar em Lula(aquele) DE NOVO. Continuando ele ou não, estarei satisfeito. De onde vocês acham que vem essa imensa maioria declarada de eleitores que o mantém à frente das pesquisas? Provavelmente, cara irmã, daquela “Corja” que, sem você saber, ou pior, participar de alguma forma humana, tem sido atendida pela vontade, talvez até insana, de um ‘analfabeto’ que vem lutando desde antes de você nascer, contra um estado de coisas que não permitiriam que você siquer pensasse em proferir tal palavra, independente de qualquer estabilishment, ofensiva a quem quer que seja.

Lobos em pele de cordeiro. Você vai ver aos montes a partir de agora. Vão entrar em seu lar, falando suavemente ao pedir seu voto de confiança, e com alguma alteração ao se referir ao “líder daquela corja”.

Estarei aqui! É só você me dar a honra de seu comentário me dizendo qual deles é a solução ideal e eu mudo de opinião, juro. Só não vou aceitar se você disser “vote neste porque ele é lindão”, ta combinado? Já que gosto não se discute, o que se discute é o direito de se ter mau gosto.

E não esquece: Principalmente numa eleição democrática seu direito termina quando começa a de outro.

LULA(este).

7 comentários:

Junior disse...

Oi Lula,
Amigão, já conversamos um pouco sobre isso né.
Olha só, concordo que o comentário da leitora lá foi bem enfatico, e pode ser interpretado de forma até antidemocrática. Mas talvez ela estivesse se referindo como "corja" aqueles "politicos" mensaleiros e sanguessugas que de certa forma apoiam o governo da situação, e por consequencia, o Lulalelé.
Em tempo, a maioria das pessoas não gosta de discutir politica, eu gosto, pois é discutindo politica que se constroi o futuro de uma nação, povo culto e politizado fas uma nação melhor. Mas para discutir politica, precisamos ser tolerantes a opinições contrarias as nossas.
Tenho muitos amigos que votaram no Lula, e alguns deles votarão novamente, amigos mesmo, que gosto e respeito.
Qualquer hora vamos tomar aquela breja então. hehe

Carla disse...

Como você bem sabe, não gosto do Lula (aquele). Não só pelas mentiras de cara lavada, como as "posturas" em relação a diversos segmentos. Não acho que nosso país mereça ter a imagem dele como seu presidente. Eleições presidenciais à parte, confesso que não estou em cima do muro em relação às eleições federais, estaduais e municipais. Até agora (e acho que vai continuar assim) não encontrei nenhum candidato a nenhum cargo que mereça meu voto. Triste, triste. Mas é a minha realidade.

Re_Ventani@ disse...

Meu querido,acho que o jogo democrático está aí, na discussão civilizada de pontos de vista e não cabe ofensas, podemos até divergir, mas nunca perder o respeito ao outro...
Cabe aqui algumas considerações da minha parte:
Em 1989 se me permite, foi a unica vez em que votei no Lula ( aquele),por não acreditar no Collor e a história provou.
Nas outras vezes votei no "insosso" FHC, que se vc me permite foi quem abriu as portas para a política econômica vigente até hoje, portanto nem tão insosso assim, mas como vc mesmo disse todos temos direito a nossa opinião, e na ultima eleição não votei no Lula ( aquele), pois continuo não acreditando na figura de marqueting que criaram para ele, mas tudo certo 54 milhões votaram, e rezei muito para estar errada e confesso que não me sinto errada..
Não que eu ache que ele é culpado por tudo o que aconteceu diretamente, mas no minimo pecou por omissão, além do que me decepcionei muito com o PT, uma vez que a meu ver era o único partido dotado de ética, ideologia, e os escandalos mostraram que todos são farinha do mesmo saco, infelizmente.
Eu, com certeza não votarei nele ( aquele Lula), nem estou aqui querendo mudar o voto de ninguém,e muito menos desrespeitar quem vai votar, embora na ultima eleição fui quase apedrejada por dizer que não votaria, e ainda não me decidi por quem, mas uma coisa é certa, estou cansada de omissões e desculpas esfarrapadas para a manutenção dessa vergonha, desse mar de corrupções que nosso país se afundou...

Lula disse...

(Sem mencionar o nick da menina, o grifo é meu)? comentou em Agosto 7, 2006 às 9:38 am
Rende ibope falar mal do Fidel. Veja a entrevista que o Alckmim deu para a Folha de S. Paulo. Disse que Fidel Castro é uma “figura do passado” e coisas que estamos cansados de ouvir. No mais, vale lembrar essa nova geração de eleitores e toda a corja que vota no Lula que é bom que se condene as restrições às liberdades civis em Cuba e as supostas execuções de dissidentes do regime.
Boa semana! Beijus

ajornalistabh disse...

bom, como eleitora de Lula (aquele de 2002), eu digo convicta que esse ano não voto nele de novo. Sim, não voto nele porque desiludida com aquela proposta de honestidade que vi cair por terra quando começaram essas histórias de mensalão e vendo-o falar que não sabia de nada, e mais, que mensalão é normal! Naquele momento vi que esse não era o presidenete que eu tinha escolhido para meu ´país, não!!
Vou em Alckmin, que eu acho capaz, por que? Porque já esteve em vários cargos políticos, tem um curso superior, acho que entende o que faz.
Ah, antes que eu esqueça!! Adorei a metáfora... E entendi!! rs....
beijos

Cinderella disse...

Amei seu texto. [ou, desabafo]
Sabe, acho que uma das coisas que faltam pra alguma coisa dar certo é a falta de honestidade com a qual as pessoas tratam do Assunto Lula. É impressionante: todos dizem que não votaram nele e que não votarão novamente, mas então como é que ele conseguiu ser eleito??
\o/

Sounds of Silence disse...

É isso aí, meu amigo. Antes de qualquer coisa, devo salientar que não gosto do Lula (aquele), não votei no Lula (aquele) e não votarei no Lula (aquele). Ainda não sei, sinceramente, em quem vou votar, mas acho que o Lula (aquele) pecou durante a campanha pelo simples fato de... falar demais... Ao meu ver, ele era candidato único com chances reais de ser eleito. Tanto que mais da metade da população com direito a voto o elegeu. Sabendo disso, acho que bom senso seria, ao invés de prometer e prometer, ter dito simplesmente: Quando eu chegar lá eu vejo o que dá prá fazer. Assim, quaisquer coisas feitas por ele, lá, teria sido bem recebida. Hoje, devido ao tanto de promessas que acabaram vãs, o que ele fez se tornou em nada.

Isso sem contar que, por mais que a corrupção seja uma coisa antiga por estas bandas, nunca se viu e comprovou tanta bandalheira num governo só...

Mas respeito o teu voto e o tomo como sendo tb meu, e por isso digo que ele é o NOSSO presidente.

Sou brasileiro, e como vc, amo este país. Quero o melhor prá ele. Se for o Lula, de novo, que seja.