15 julho 2006

O ontem é para sempre!

(Eu chegava até a babar no cangote das parceiras de dança).




(Um tom mais claro de palidez)

Dançamos um fandango suave
Demos cambalhotas pelo chão
Eu estava me sentindo meio enjoado
A multidão pedia bis
E o salão gritava e gritava
Enquanto o teto rodava
E quando pedimos outra bebida
O garçom trouxe uma bandeja

E então mais tarde
Enquanto o espelho contava sua história
Um rosto a princípio apenas fantasmagórico
Ganhou um tom mais claro de palidez

Você disse que não há motivo
E a verdade é fácil de se ver
Mas eu consultei as cartas do baralho
E não deixei que ela fosse
Uma entre dezesseis virgens vestais
Que partiam para o litoral
E embora meus olhos estivessem abertos
Daria no mesmo se estivessem fechados

E então mais tarde
Enquanto o espelho contava sua história
Um rosto a princípio apenas fantasmagórico
Ganhou um tom mais claro de palidez.

Um comentário:

Carla disse...

Chegava a babar, Lulinha? Vixe!!